Veja o registro do cinquentenário do canil setorial da Polícia Militar em Taubaté


 

Há  50 anos nascia o Canil Setorial da Polícia Militar do Estado de São Paulo na região, sediado nas dependências do 5º Batalhão Policial da Força Pública, hoje o 5º BPM/I. O então Tenente Oliveira Junior (hoje aqui presente Cel Res Oliveira Jr)  foi seu primeiro comandante, sendo composto pelo efetivo de somente 01 cão Pastor Alemão de nome Axel de Bismarque, e seu adestrador, o Sgt Acidino (hoje aqui presente Ten Res Acidino).

Atualmente o grupamento  conta com um efetivo de 14 Policiais Militares e de 16 cães das raças Pastor Alemão, Pastor Belga Malinois e Santo Humberto, sendo que desde de 07 de agosto de 2014, deixou de pertencer ao 5º Batalhão de Polícia Militar do Interior, e passou a integrar a 2ª Companhia do 3º BAEP.

Ao longo do seu tempo de existência o Canil realizou diversas missões com emprego de cães, tais como: Contra Guerrilha Urbana e Rural; Controle de Distúrbios Civis; Policiamento ostensivo a pé, motorizado e em praças desportivas; Busca e localização de marginais foragidos em mata; Busca, localização e resgate de pessoas perdidas; Segurança de autoridades; Demonstrações de adestramento, com finalidade educativa; Participação em provas oficiais de adestramento; Detecção de drogas e explosivos, por meio  de cães farejadores; Revista e controle em rebeliões em estabelecimentos prisionais do Estado, dentre outras.

Tais demandas obrigam-nos ao treinamento constante e à realização de especialização contínua que é obtida por meio de cursos, estágios e seminários promovidos pelo CANIL e pelo intercâmbio com outras Unidades e segmentos da sociedade civil.

Apesar da árdua missão que nos é designada diariamente, o Canil Setorial da Polícia Militar sempre cumpriu todas as suas atividades com excelência, já que contamos com um grupo seleto de policiais militares cuja abnegação e capacidade técnica e profissional representam nosso maior valor e reforçam em nossas mentes o eterno compromisso de bem servir à população paulista.

 Aproveitamos esta data festiva em comemoração ao 50º (qüinquagésimo) aniversário do Canil, para prestarmos uma justa homenagem em agradecimento àqueles que, por meio de ações individuais, prestaram relevantes serviços à Polícia Militar, em especial ao Canil BAEP. Obrigado a todos os senhores e senhoras, recebedores desta homenagem, pela ajuda incomensurável que, com suas ações prestaram à Polícia Militar e, em decorrência, ao povo paulista.

Quero saudar todos os oficiais e praças da Unidade que se doam diariamente ao sacerdócio policial militar, às nossas esposas e esposos, aos nossos pais, filhos e demais familiares, pois sabemos que a conquista de cada policial que aqui atua também é a conquista de vocês.

Nossos agradecimentos ao nosso Exmo Comandante Geral, Cel PM Ricardo Gambaroni, à Sra Cmt do CPI-1, Cel PM Eliane Nikoluk Scachet, pela precioso apoio e incentivo, e mais do que isso , por creditarem a responsabilidade e confiança na condução dessa Unidade, e ao Comandante Interino do Canil Central do 3º BPChq, Ten Sírio, que acompanha, apoia e deixa toda a estrutura do Canil Central à nossa disposição, qual nos espelhamos. 

                 

Quartel em São José dos Campos, 16 de dezembro de 2015. 

MARCELO DE OLIVEIRA GARCIA – Maj PM Comandante




 

Histórico do Canil por um historiador

O dia 4 de outubro de 1965 é um marco histórico para o 5º Batalhão Policial da Força Pública do Estado de São Paulo, sediado em Taubaté.

Na manhã daquele dia o 2º Sargento Acidino dos Santos seria procurado por um cidadão residente na cidade de Caçapava, o qual lhe ofereceria um cão da raça pastor alemão, porém, de temperamento extremamente feroz, como doação à Unidade.

Ciente do fato, o então 2º Ten. Oliveira Jr. determinaria primeiramente que o Sargento Acidino conhecesse o animal e caso demonstrasse condições de adestramento, que o recebesse do doador. O cão feroz receberia o nome de Axel de Bismarque.

Assim, através do Boletim Regimental nº 194, de 27 de outubro de 1965, o Comandante do Batalhão Cel. Sebastião Rufino Freire designaria o 2º Ten. Oliveira Jr. como encarregado da criação do Canil do 5º Batalhão. Depois, com a missão cumprida, iniciava-se no glorioso e outrora Batalhão Jacques Félix a mais nova atividade em policiamento ostensivo com o emprego de cães no Vale do Paraíba.

Axel de Bismarque encontraria no Sargento Acidino o carinho, o respeito e a compreensão, tornando-se um companheiro de memoráveis jornadas, como busca de pessoas desparecidas em locais de difícil acesso, descoberta de criminosos escondidos em matas fechadas, rebeliões em penitenciárias, localização de entorpecentes, policiamento ostensivo e em apresentações nos desfiles comemorativos.

Como missão relevante e portando-se como verdadeiro herói, Axel de Bismarque participaria do salvamento e localização de inúmeras vítimas atingidas pela catástrofe de Caraguatatuba ocorrida no dia 18 de março de 1967.

Anos mais tarde, Axel de Bismarque receberia como prêmio pela sua dedicação e lealdade, sua merecida aposentadoria, porém, continuaria a demonstrar sua ferocidade, mas, em forma de amor e gratidão, àqueles que um dia souberam acolhê-lo e compreendê-lo.

A réplica em sua homenagem encontra-se em exposição no Memorial General Júlio Marcondes Salgado do 5º BPM/I, produzida pelo artista plástico 1º Sargento PM Jaurez Hugo de Siqueira.

 

Gilberto da Costa Ferreira  –  1º Tem Res PM Historiador e Pesquisador




 

Anúncios

Seção de Cães de Guerra da Academia Militar das Agulhas Negras apoia Estágio de Adestrador de Cães de Guerra do 2º Batalhão de Polícia do Exército

O Canil Muniz de Aragão, do Hospital Veterinário da Academia Militar das Agulhas Negras,  no período de 29 de setembro a 2 de outubro de 2015 apoiou o Pedido de Cooperação de Instrução (PCI) do Estágio de Adestrador de Cães de Guerra (EACG) do 2° Batalhão de Polícia do Exército, Osasco-SP. As instruções foram coordenadas pela Seção de Veterinária e ministradas pelo Capitão Médico Veterinário Fabiano, Chefe do Canil da AMAN, e sua equipe de cinófilos e cães de guerra, além de contar com o apoio de militares dos Cursos de Engenharia e de Cavalaria e da Cadeira de Química da Divisão de Ensino da AMAN. Durante o período os 17 estagiários do EACG (12 do Exército, dois da Marinha, dois da Aeronáutica e um Agente Penitenciário da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo) puderam participar de instruções operacionais de emprego dos cães de guerra como: busca e varredura em edificações, busca e varredura em matas, patrulha urbana e rural com cães, faro de explosivos, marcha de 12 km, bivaque com cães, transposição de curso d’água e embarque e desembarque em Viatura Blindada de Transporte de Pessoal (VBTP). Além disso, os estagiários puderam visitar as instalações do Canil Muniz de Aragão e demais instalações do Hospital Veterinário da AMAN.

Cães que farejam câncer de próstata em humanos são aprovados pelo Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido

Os cães são considerados os melhores amigos do homem há muito tempo, mas uma nova pesquisa revelou que eles podem ser a melhor chance de um diagnóstico de câncer também. Cães capazes de farejar câncer foram aprovados para uso em um experimento feito pelo Serviço Nacional de Saúde (NHS) do Governo do Reino Unido. A aprovação foi dada para mais experimentos serem realizados após um estudo inicial ter mostrado que os cães podem detectar câncer de próstata na urina em 93% dos casos. Espera-se que eles possam substituir as formas tradicionais de determinar se os homens precisam ou não fazer uma biópsia, um teste que tem uma alta taxa de falso positivo.

O urologista do Hospital da Universidade Milton Keynes, Iqbal Anjum, que aprova esses testes com cães, classificou o estudo como “um perspectiva muito animadora”. “Ao longo dos anos, houve muitos relatos sugerindo que os cães podem ser capazes de detectar câncer baseado no odor do tumor. Assumiu-se que moléculas voláteis associadas com o tumor podem ser liberadas na urina da pessoa, tornando as amostras fáceis de serem coletadas e testadas”.

A co-fundadora do grupo Medical Detection Dogs, Claire Guest, que participará dos experimentos que serão feitos, disse que os cães “têm taxas mais altas de confiabilidade do que a maioria dos testes existentes”. “Sabemos que seu olfato é extraordinário. Eles podem detectar partes por trilhão – o que equivale a uma gota de sangue em duas piscinas olímpicas. Não devemos virar as costas a esses biodetectores altamente sensíveis somente porque eles têm pelos”.

Guest vem testando a capacidade de detecção de câncer dos animais após um deles chamar a sua atenção em 2009. O cão ficava a cutucando no peito e quando ela avaliou a região, notou hematomas, buscando, então, uma consulta médica. Os testes revelaram que ela tinha um tumor na mama que podia ser grave sem o diagnóstico precoce do cão. Gary Steele, que fundou o grupo de Suporte ao Câncer de Próstata, disse que os experimentos podem provar uma “oportunidade de salvar milhares de vidas”.

A reportagem é do http://www.independent.co.uk, traduzida e adaptada pela Equipe Nossa Matilha.

Cães da Guarda de Casimiro de Abreu auxiliam em operação em Campos

Armas, drogas e munições foram apreendidas com a ajuda dos farejadores


O Departamento de Operações com Cães, da Secretaria de Ordem Pública e Defesa Civil de Casimiro de Abreu, participou na manhã desta quinta-feira, dia 9, de uma operação envolvendo as polícias Civil, Militar, Rodoviária Federal e a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, em Campos dos Goytacazes.
A operação, denominada Off Line, contou com 120 agentes e 32 viaturas. O Canil, da Guarda Municipal de Casimiro, colaborou com quatro guardas e três cães, da raça Pastor Holandês, Draco, Scout e Doc. Foram efetuadas 20 prisões, com a apreensão de armas, munições, grande quantidade de drogas, dinheiro e celulares. A operação teve início as 4 horas e terminou por volta de 11 horas e foi feita com a intenção de desarticular uma quadrilha que atuava também no Espírito Santo e Bahia.
Segundo o secretário de Ordem Pública e Defesa Civil, Luiz Fernando Shinkado, a participação dos cães de Casimiro de Abreu se deu pelo bom treinamento e trabalho efetuado no departamento. “Nossos cães recebem um treinamento diferenciado, voltado para atender a comunidade nas mais diversas situações. É uma satisfação poder auxiliar o trabalho das polícias na realização de operações como essa”.


Publicado em 10/4/2015

Fiscalização vai contar com cães farejadores em portos, aeroportos e postos de fronteiras

Cães das raças labrador e golden retriever, dóceis e de fácil aceitação pelo público, estão sendo utilizados como brigada canina em serviços de vigilância sanitária agropecuária em diversos países apresentando excelentes resultados, tanto na apreensão de produtos, quanto no trato com passageiros em áreas de fronteira, portos e aeroportos. Projeto similar está em vias de implantação no Brasil e integra uma das diretrizes de modernização do VIGIAGRO – Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional, da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

No início deste mês, como parte de um projeto de cooperação técnica firmado entre o IICA (Instituto Interamericano de Cooperação Agrícola) e o governo brasileiro, uma equipe técnica do Mapa visitou o Departamento Agrícola e Pecuário do Chile para avaliar a atividade realizada naquele país. Implantado em 2005, o serviço de brigada canina chileno conta com animais e condutores extremamente treinados. Tal atividade vêm reduzindo significativamente o transporte de produtos de origem animal ou vegetal, proibidos por lei, uma vez que são passíveis de introduzir pragas e doenças em qualquer país. No Chile, além dos cães farejadores como instrumento de inibição da prática ilegal, são aplicadas multas que variam entre U$200 e U$10.000 para viajantes que não declararem a presença de produtos proibidos na bagagem.

Os fiscais agropecuários brasileiros tiveram a oportunidade de acompanhar o treinamento das equipes de condutores e cães, presenciando atividade de campo no Porto de Valparaíso, quando foi realizada a inspeção nas bagagens de mais de 4 mil passageiros que desembarcavam de um cruzeiro. É dever do Estado adotar todo o tipo de precaução disponível, já que o trânsito internacional de pessoas corresponde ao principal meio de introdução e difusão de doenças em todo o mundo.

O projeto básico de implantação do uso de cães de faro nas atividades da vigilância agropecuária está em fase de estudos e levantamentos por meio de um convênio entre a Universidade de Brasília, o Ministério da Agricultura, o IICA e o Exército Brasileiro – responsável pela formação das brigadas caninas. A previsão é que o piloto seja implantado até o final do ano, começando pelo Aeroporto Internacional Juscelino Kubistchek em Brasília. A ideia é que os cães atuem antes mesmo da entrega das bagagens, ainda quando estiverem circulando nas esteiras dos terminais de passageiros. O foco principal seria além da bagagem despachada, as bagagens de mão, onde frequentemente são transportados os alimentos.

A indicação da presença dos produtos proibidos na bagagem feita pelos cães é passiva, ou seja, os animais sentam ao detectar o odor de um produto proibido, sem apresentar nenhum contato com as pessoas. Os cães só são atraídos para malas ou bagagens que exale a presença de algum produto de origem animal ou vegetal.

Para o secretário de Defesa Agropecuária, Décio Coutinho, a implantação do Centro Nacional de Cães de Detecção no Brasil demonstra a importância concedida a fiscalização zoossanitáira e fitossanitária de fronteiras. “Utilizando as ferramentas corretas e com o devido cuidado, uma vez que estamos diante do trato com o cidadão brasileiro, podemos sim, resguardar nosso país de doenças não existentes que podem implicar em sérios riscos sanitários e econômicos”, afirma Coutinho.

As informações são do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), adaptadas pela Equipe Nossa Matilha.

http://www.nossamatilha.com.br/noticias-e-mercado/caes-profissionais/brasil-fiscalizacao-vai-contar-com-caes-farejadores-em-portos-aeroportos-e-postos-de-fronteiras-94156n.aspx

Cão policial que morreu no atentado a museu na Tunísia é aplaudido por população

Durante o atentado ao Museu Nacional do Bardo nessa quarta-feira (18), no centro de Túnis, capital da Tunísia, que deixou 20 pessoas mortas, um cão policial também foi atingido fatalmente durante a operação.

Enquanto o cachorro era levado para fora do local, o corpo já desfalecido, as pessoas que se encontravam reunidas fora do museu são vistas aplaudindo o animal, honrando-o pelos seus esforços em proteger a população e pelo herói que é.

Veja vídeo:
http://portaldodog.com.br/cachorros/noticias/cao-policial-que-morreu-no-atentado-a-museu-na-tunisia-e-aplaudido-por-populacao/